Questão Brasil edição nº. 87

Questão Brasil | Assuntos de Goiás TV

terça-feira, 25 de abril de 2017

PGR ameaça anular delações na Lava Jato



O Brasil da bandalha que não tem sossego frente aos capítulos tenebrosos de uma fase bafô nica de sua história, se não bastasse as revelações que deixam envergonhados até os maiores bandidos desta nação, as mesmas revelações podem começar a fazer um caminho inverso ao que poderia levar todos os mal feitores para trás das grades. 



Calma, não é que o Procurador Geral vá anular as falas dos corruptos da empreiteira, pelo menos por enquanto são essas delações que estão valendo e se sobrepondo as demais que já haviam sido homologadas anteriormente.

O ex-senador Petista Delcídio do Amaral pode ser a primeira vitima do novo entendimento de Rodrigo Janot, as novas delações que vieram a público contradizem os depoimentos e parece que a força tarefa da Lava Jato decidiu que são os corruptores que tem mais credibilidade do que os corruptos neste país. 

 Pedro Barusco, Nestor Cerveró e outros podem ter seus acordos de colaboração premiada anulados por completo.
 

segunda-feira, 24 de abril de 2017

PGR ameaça anular delações na Lava Jato



O Brasil da bandalha que não tem sossego frente aos capítulos tenebrosos de uma fase bafô nica de sua história, se não bastasse as revelações que deixam envergonhados até os maiores bandidos desta nação, as mesmas revelações podem começar a fazer um caminho inverso ao que poderia levar todos os mal feitores para trás das grades. 



Calma, não é que o Procurador Geral vá anular as falas dos corruptos da empreiteira, pelo menos por enquanto são essas delações que estão valendo e se sobrepondo as demais que já haviam sido homologadas anteriormente.

O ex-senador Petista Delcídio do Amaral pode ser a primeira vitima do novo entendimento de Rodrigo Janot, as novas delações que vieram a público contradizem os depoimentos e parece que a força tarefa da Lava Jato decidiu que são os corruptores que tem mais credibilidade do que os corruptos neste país. 

 Pedro Barusco, Nestor Cerveró e outros podem ter seus acordos de colaboração premiada anulados por completo.
 

domingo, 23 de abril de 2017

Emílio Odebrecht citou e defesa de Lula aponta em nota vínculo entre Globo e Odebrecht





Íntegra da Nota divulgada pela defesa do ex-presidente Lula 

 "Delações são versões unilaterais de réus que buscam sair da prisão ou obter benefícios pessoais. Todas as referências contidas nas delações devem ser investigadas com isenção e imparcialidade não apenas em relação ao ex-Presidente Lula, mas também em relação a todos os que foram citados, incluindo a sociedade que a Globo manteve com o Grupo Odebrecht, citada na delação de Emílio Odebrecht. 

 Lula sempre atuou para promover o Brasil no exterior, e não para promover determinadas empresas ou empresários" 

 Assina a nota o advogado Cristiano Zanin Martins

Cada vez mais enrolado na Lava Jato, Temer diz que Caixa 2 generalizado é ‘opinião’ da Odebrecht – Assuntos de Goiás | Questão Brasil

Cada vez mais dentro dos ilícitos da Odebrecht, inclusive com apresentação de documentos, o presidente da República, Michel Temer, disse em entrevista à agência EFE que um suposto uso universal da prática conhecida como caixa 2 nas eleições brasileiras é “uma opinião” da empreiteira Odebrecht. O ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, afirmou em depoimento à Polícia Federal que não existe, no Brasil, nenhum político eleito para cargo público sem o uso dessa prática. 

“Acho que é uma opinião. A Odebrecht é que acha que todos os políticos se serviram do caixa 2. Aliás, ao assim se manifestarem, dizem que eles são os produtores do caixa 2. Eu conheço muitos políticos que não se serviam do caixa 2 para se eleger. Eu fui presidente de um partido [PMDB], o maior partido do país durante 15 anos, e as contribuições chegavam oficialmente pelo partido”.

Temer descartou ainda que a delação da Odebrecht vá atrapalhar a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional. 

Após a delação, foi pedida a abertura de inquéritos para investigar ministros do seu governo, além de deputados e senadores da oposição e da base aliada.

“Quando um delator fala, há o início de um processo que nem ainda é um processo judicial. Muitas vezes é um inquérito de natureza administrativa. Depois pode dar-se a hipótese do inquérito judicial, e depois é que o Ministério Público vai verificar se denuncia ou não. E o Judiciário vai dizer se recebe ou não a denúncia”, enumerou Temer, que reafirmou ter estabelecido uma “linha de corte”. “Quando alguém é denunciado pelo Ministério Público eu afasto provisoriamente o ministro. Se depois a denúncia for aceita [pelo Judiciário] eu afasto definitivamente”, acrescentou.
 

Cada vez mais enrolado na Lava Jato, Temer diz que Caixa 2 generalizado é ‘opinião’ da Odebrecht – Assuntos de Goiás | Questão Brasil

Cada vez mais dentro dos ilícitos da Odebrecht, inclusive com apresentação de documentos, o presidente da República, Michel Temer, disse em entrevista à agência EFE que um suposto uso universal da prática conhecida como caixa 2 nas eleições brasileiras é “uma opinião” da empreiteira Odebrecht. O ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, afirmou em depoimento à Polícia Federal que não existe, no Brasil, nenhum político eleito para cargo público sem o uso dessa prática. 

“Acho que é uma opinião. A Odebrecht é que acha que todos os políticos se serviram do caixa 2. Aliás, ao assim se manifestarem, dizem que eles são os produtores do caixa 2. Eu conheço muitos políticos que não se serviam do caixa 2 para se eleger. Eu fui presidente de um partido [PMDB], o maior partido do país durante 15 anos, e as contribuições chegavam oficialmente pelo partido”.

Temer descartou ainda que a delação da Odebrecht vá atrapalhar a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional. 

Após a delação, foi pedida a abertura de inquéritos para investigar ministros do seu governo, além de deputados e senadores da oposição e da base aliada.

“Quando um delator fala, há o início de um processo que nem ainda é um processo judicial. Muitas vezes é um inquérito de natureza administrativa. Depois pode dar-se a hipótese do inquérito judicial, e depois é que o Ministério Público vai verificar se denuncia ou não. E o Judiciário vai dizer se recebe ou não a denúncia”, enumerou Temer, que reafirmou ter estabelecido uma “linha de corte”. “Quando alguém é denunciado pelo Ministério Público eu afasto provisoriamente o ministro. Se depois a denúncia for aceita [pelo Judiciário] eu afasto definitivamente”, acrescentou.
 

sábado, 22 de abril de 2017

Emílio Odebrecht citou e defesa de Lula aponta em nota vínculo entre Globo e Odebrecht





Íntegra da Nota divulgada pela defesa do ex-presidente Lula 

 "Delações são versões unilaterais de réus que buscam sair da prisão ou obter benefícios pessoais. Todas as referências contidas nas delações devem ser investigadas com isenção e imparcialidade não apenas em relação ao ex-Presidente Lula, mas também em relação a todos os que foram citados, incluindo a sociedade que a Globo manteve com o Grupo Odebrecht, citada na delação de Emílio Odebrecht. 

 Lula sempre atuou para promover o Brasil no exterior, e não para promover determinadas empresas ou empresários" 

 Assina a nota o advogado Cristiano Zanin Martins

PGR ameaça anular delações na Lava Jato



O Brasil da bandalha que não tem sossego frente aos capítulos tenebrosos de uma fase bafô nica de sua história, se não bastasse as revelações que deixam envergonhados até os maiores bandidos desta nação, as mesmas revelações podem começar a fazer um caminho inverso ao que poderia levar todos os mal feitores para trás das grades. 



Calma, não é que o Procurador Geral vá anular as falas dos corruptos da empreiteira, pelo menos por enquanto são essas delações que estão valendo e se sobrepondo as demais que já haviam sido homologadas anteriormente.

O ex-senador Petista Delcídio do Amaral pode ser a primeira vitima do novo entendimento de Rodrigo Janot, as novas delações que vieram a público contradizem os depoimentos e parece que a força tarefa da Lava Jato decidiu que são os corruptores que tem mais credibilidade do que os corruptos neste país. 

 Pedro Barusco, Nestor Cerveró e outros podem ter seus acordos de colaboração premiada anulados por completo.
 

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Emílio Odebrecht citou e defesa de Lula aponta em nota vínculo entre Globo e Odebrecht





Íntegra da Nota divulgada pela defesa do ex-presidente Lula 

 "Delações são versões unilaterais de réus que buscam sair da prisão ou obter benefícios pessoais. Todas as referências contidas nas delações devem ser investigadas com isenção e imparcialidade não apenas em relação ao ex-Presidente Lula, mas também em relação a todos os que foram citados, incluindo a sociedade que a Globo manteve com o Grupo Odebrecht, citada na delação de Emílio Odebrecht. 

 Lula sempre atuou para promover o Brasil no exterior, e não para promover determinadas empresas ou empresários" 

 Assina a nota o advogado Cristiano Zanin Martins

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Emílio Odebrecht citou e defesa de Lula aponta em nota vínculo entre Globo e Odebrecht





Íntegra da Nota divulgada pela defesa do ex-presidente Lula 

 "Delações são versões unilaterais de réus que buscam sair da prisão ou obter benefícios pessoais. Todas as referências contidas nas delações devem ser investigadas com isenção e imparcialidade não apenas em relação ao ex-Presidente Lula, mas também em relação a todos os que foram citados, incluindo a sociedade que a Globo manteve com o Grupo Odebrecht, citada na delação de Emílio Odebrecht. 

 Lula sempre atuou para promover o Brasil no exterior, e não para promover determinadas empresas ou empresários" 

 Assina a nota o advogado Cristiano Zanin Martins

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Emílio Odebrecht citou e defesa de Lula aponta em nota vínculo entre Globo e Odebrecht





Íntegra da Nota divulgada pela defesa do ex-presidente Lula 

 "Delações são versões unilaterais de réus que buscam sair da prisão ou obter benefícios pessoais. Todas as referências contidas nas delações devem ser investigadas com isenção e imparcialidade não apenas em relação ao ex-Presidente Lula, mas também em relação a todos os que foram citados, incluindo a sociedade que a Globo manteve com o Grupo Odebrecht, citada na delação de Emílio Odebrecht. 

 Lula sempre atuou para promover o Brasil no exterior, e não para promover determinadas empresas ou empresários" 

 Assina a nota o advogado Cristiano Zanin Martins

Seguidores