A revolta dos bolsonaristas



A relação entre Jair Bolsonaro e seus apoiadores mais fiéis estremeceu após a escolha de Kassio Nunes Marques para o lugar de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal. 
Visto como progressista e desalinhado com a agenda da direita conservadora, os bolsonaristas não pouparam o presidente de críticas. 
A hashtag “BolsonaroTraidor” foi mencionada mais de 43 mil vezes no Twitter. 
Este é apenas um dos episódios que desgastou essa relação. Bolsonaro já sentiu a ira dos lavajatistas após a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça. 
A chamada ala ideológica também torceu o nariz para a demissão, mal explicada, do ministro da Educação, Abraham Weintraub, visto como um símbolo pelos "bolsonaristas raiz".
Afinal, o que significa para Bolsonaro essa perda de apoio da sua base mais fiel? 
Dá pra dizer que o presidente traiu as suas convicções em nome da estabilidade política? 
Na edição de hoje, conversamos com o editor da “Coluna do Estadão”, Alberto Bombig.

Comentários