TV R

sábado, 11 de janeiro de 2014

O poder das redes sociais e sua influência em tempos de decisões complexas

Todo poder emana do povo, diz a Constituição. As redes sociais são instrumentos, meios ou ferramentas que propiciam a comunicação na sociedade, nos mais diversos segmentos de relações – interpessoal, familiar, institucionais, globais, etc. Com a ampliação e barateamento do acesso à internet, bem como quanto aos avanços tecnológicos nessa área da conectividade, o povo percebe o uso das redes sociais para ajudar na manifestação de seu poder.
Ou seja, as redes sociais exercem forte papel nos sistemas da sociedade – político, jurídico, econômico, midiático, educacional. Não é à toa que os poderes estatais, as empresas, instituições seculares e grande parte da população estão cadastrados e usam as redes sociais.

Não por menos, crescem cada dia os especialistas e os serviços em monitoramento, tratamento e assessoria acerca das redes sociais, contratados por corporações, empresas, figuras públicas, instituições e até países. Inclusive, como denunciado para o mundo, os EUA invadem a privacidade das pessoas a partir das redes sociais – mande um olá pro Obama.

As redes sociais funcionam como catalisador e facilitador da comunicação entre os sistemas. Permitem que as demandas, situações e interesses veiculados pela sociedade possam abrir portas para serem debatidos e tratados nos sistemas. Também servem de veículo para expressão e formação de opiniões públicas, figurando até certo ponto como um termômetro para medir a temperatura de qual opinião pública pode se tornar mais ou menos hegemônica.

Pode-se dizer que a internet e as redes sociais estão se parecendo com uma grande praça pública, palco dos debates e da liberdade de opinião. Mostram-se, pois, como espaço dialógico das disputas ideológicas – os partidos e candidatos que o digam. Afiguram-se como enorme canal para articulações, projeções e pressões de todo tipo.
Leia mais: O poder das redes sociais - Tribuna do Norte

Seguidores